Como o come-cotas afeta seus investimentos em fundos de renda fixa?

Rate this post

Olá! Aqui é o Gustavo Cerbasi em mais um "Cerbasi Responde", hoje com a pergunta do Jonny Junior, que coloca a seguinte questão para gente: Bom, para você Júnior e para todos aqueles que querem formar a reserva de emergências ou querem entender o conceito de come-cotas, são 2 assuntos a trabalhar aqui Primeiro, o que é o come-cotas? Entenda que todos aqueles que investem em renda fixa, em fundos de renda fixa, na verdade, vão ter uma tributação de acordo com o tempo que o dinheiro permanecer aplicado

Existe a tabela regressiva de tributação, 22,5% de imposto sobre o lucro nos primeiros 6 meses, nos 6 meses seguintes, 20%, depois nos 12 meses seguintes, ou seja, ao longo do 2º ano, 17,5% e quem mantiver o dinheiro aplicado por 2 anos ou mais, vai ter uma tributação de 15% nos fundos de renda fixa Agora, uma regra específica para os fundos, é uma regra que exige que nos meses de maio e novembro seja feita uma tributação sobre o lucro apurado até então, de 15% sobre esse lucro, na verdade é uma antecipação de uma tributação que iria acontecer no momento do resgate, mas que a cada 6 meses, é retirada do seu fundo de renda fixa Chama come-cotas porque essa retirada é feita em quantidades de cotas Se você comprar 1000 cotas de um fundo e essas 1000 cotas se valorizarem em um valor qualquer, digamos, um valor de R$ 1 mil para R$ 101 mil, você vai ter cotas subtraídas do seu fundo lá nos meses de maio e novembro a título de pagamento de Imposto de Renda Se você tiver que sacar esse dinheiro algumas semanas depois do come-cotas, você pagará apenas a diferença de imposto de acordo com o prazo que o dinheiro permaneceu investido, digamos que a alíquota, nesse momento do resgate, fosse de 20%, você irá pagar 5% sobre o total, porque já pagou 15% em maio e mais 20% durante esse período entre o final de maio e a data do resgate para você ter o dinheiro livre de impostos e declarado lá no Imposto de Renda sobre o regime da tributação exclusiva

Vale a pena ou não manter o dinheiro em fundos de renda fixa? E a resposta é: depende do desempenho que você vai ter nesse fundo de renda fixa porque a sua reserva de emergências é um recurso que tem que estar investido com a melhor rentabilidade que você puder, dentro da maior liquidez que você pode ter ou precisa ter Digamos que, ao aplicar o seu dinheiro em um fundo de renda fixa em que o resgate é feito no mesmo dia, D + 0, você só solicita o resgate agora, dentro do horário comercial, o dinheiro está na sua conta dentro do fim do dia, digamos que a rentabilidade média desse fundo seja algo muito próximo do CDI ou da taxa Selic, já considerando a taxa de administração que esse fundo cobra de você, é um fundo que vai ter um desempenho melhor do que títulos públicos porque títulos públicos tem também o desempenho da taxa Selic ou do CDI, só que para investir em títulos públicos, você vai pagar a taxa de custódia que é cobrada das corretoras De certa forma, algumas corretoras até podem te isentar dessa taxa de custódia, mas existe a corretagem básica da BOVESPA da qual você não pode fugir A regra básica é: ou você coloca esse seu dinheiro ou o dinheiro da sua reserva de emergências em um fundo de renda fixa que tem uma taxa de administração baixa o suficiente para superar o efeito da corretagem, da custódia da sua corretora e da BOVESPA, considerando até que você será tributado antes da hora, o seu dinheiro perderá um desempenho no crescimento a cada 6 meses, ou seja, tem que ser um fundo com uma rentabilidade bem interessante ou você vai preferir CDBs de bancos menores oferecidas através de corretoras de valores, aqueles que pagam 103%, 105%, 108% do CDI, vão pagar mais quanto menos liquidez você tiver ou precisar, ou então, na verdade, se você puder disponibilizar esse dinheiro por 2 anos, você vai ter, nessa menor liquidez, uma rentabilidade maior E é importante entender que reserva de emergências tem que respeitar a sua necessidade

Eu, por exemplo, tenho uma reserva de emergências que é mais para atender aqueles pagamentos parcelados que eu já assumi no meu cartão de crédito Meu cartão de crédito vence a cada 30 dias, então com 30 dias de antecedência, eu posso antever a necessidade de recurso lá na frente e solicitar agora o resgate de um CDB que tem uma liquidez de 30 dias, um fundo que tem uma liquidez de 30 dias, então nisso eu consigo uma rentabilidade maior de acordo com o meu planejamento O melhor produto pode ser um fundo de renda fixa, mesmo com o come-cotas, se o desempenho for interessante, pode ser um CDB de banco pequeno e dependendo do momento da economia que estamos vivendo, uma LCA, uma LCI, ou seja, recursos que os bancos utilizam para captar caixa para fornecer para investimentos no agronegócio, nos investimentos imobiliários de acordo com o momento econômico, podem ser mais ou menos interessantes, como escolher? O ideal é você ter contato com agente de investimentos, abrir conta em uma corretora que forneça serviço de orientação e, de tempos em tempos, quando tiver que fazer investimento maior ou reverter a sua carteira, solicitar uma orientação sobre qual é o produto de renda fixa mais interessante naquele momento com a liquidez que você precisa A economia se transforma, se a economia se transforma os produtos serão diferentes a cada 3, 4, 5 meses, então é importante se manter sempre bem informado Espero ter ajudado, Jonny, a você e a todos aqueles que querem ter um bom desempenho mesmo na sua reserva de emergências, faz diferença sim

Sucesso e até mais!