Erros Comuns de Jovens Empreendedores

Rate this post

Erros Comuns de Jovens Empreendedores Neste vídeo você vai descobrir quais são os onze erros mais comuns de jovens empreendedores e como evitar cair nessas armadilhas comuns, que infelizmente, atrasam o sucesso de ótimos negócios que poderiam prosperar

O primeiro erro é achar que é necessário fracassar múltiplas vezes até dar certo Esse ponto pode te surpreender porque muitos empreendedores até falam com orgulho: – ah, cometi uma série de erros, enquanto eu estava empreendendo E o motivo dizem eles, é que isso mostra que eles estão abertos ao aprendizado Tudo bem, se você cria uma empresa, onde tudo precisa estar absolutamente perfeito todos os dias pra que a sua empresa sobreviva, é um indicador que a empresa não tá bem estruturada Nós temos que experimentar, aprender e medir com os resultados dos nossos erros

Acho que foi na série do Pai Rico do Robert Kiyosaki, por exemplo, se falou muito sobre os fracassos de empreendedorismo e o Sebrae no Brasil mostra estatísticas de empresas, que infelizmente, fecham muito rápido Mas veja, você não PRECISA fracassar nove vezes pra dar certo apenas na décima tentativa Você não precisa aprender apenas com seus erros próprios, se você souber examinar, aprender casos que não deram certo, aprender com o erro dos outros é ainda melhor No meu caso, eu fracassei duas vezes Uma vez foi numa empresa na área de moda e outra vez foi numa empresa que produzia games

Em ambos os casos, eu não tinha estudado praticamente nada sobre negócios, eu não tinha uma clareza como é que as empresas podem ficar modeladas pra trazer lucro Teve vários outros erros também na hora de contratação, a tecnologia, naquela época, não era tão boa como a tecnologia que existe hojesó pra você ter uma ideia, nesse primeiro site nem o WordPress existia ainda, era uma ferramenta que era era uma outra tecnologia pra fazer os sites E se eu quisesse publicar conteúdo com novas fotos, novos conteúdos conteúdo editorial, eu tinha que pegar meu carro é

ao invés de eu ficar no conforto da minha casa e colocar lá, criar novo post no WordPress, coisa simples, eu tinha que pegar meu carro, dirigir meia hora ir até a casa do web designer, eu levava uma caixa de disquete na casa dele e aí juntos nós ficávamos lá, manualmente, adicionando fotos e texto novo Hoje em dia é maluquice você pensar dessa forma, se naquela época eu já pudesse entender quais eram as limitações tecnológicas, eu poderia desenvolver um pouco melhor a parte tecnológica e também poderia ter uma visão melhor de negócios Isso evitaria um certo fracasso que eu tive naquela época

Mas foi um grande aprendizado e o que eu aprendo, eu venho compartilhar com você aqui no EmpreDig O outro lado da moeda de aprender com os próprios erros, é o conceito de aprender com o nosso próprio sucesso Isso é bem interessante também, vou repetir muitas vezes isso, ao longo do nosso curso Não basta apenas absorver informações teóricas de uma forma passiva, nós temos que colocar as ideias na prática e fazer É fazendo que a gente aprende

E como eu sei que essa parte é um pouco mais desafiadora, eu deixei algumas atividades práticas, programadas numa dose adequada e divertida adiante ao longo do nosso curso Conforme você vai avançando no EmpreDig, as atividades vão aparecendo, cada vez com uma complexidade um pouco maior, a gente vai brincar junto em redes sociais, depois vamos criar o nosso site, e quando nós menos percebermos, já estamos aí fazendo anúncios, sincronizando o PayPal com nossa conta bancária pra enviar lá o dinheiro de vendas realizadas Mas o ponto principal desse vídeo, na minha opinião, existe um exagero na cultura, na literatura, de empreendedorismo celebrando o valor do fracasso Por um lado é verdade, a gente não precisa ter medo, não pode ter medo de fracasso, não pode ter medo E podemos aprender sim, muito com o fracasso

Mas também é verdade que nós podemos e devemos aprender com o nosso sucesso e com o fracasso alheio, e quando você vai falar com pessoas que tem grupos de empreendedores que já tem experiência, raramente eles vão te falar que eles costumam errar nove vezes e acertam uma Ao contrário, o normal entre empreendedores que fazem as coisas já com experiência a cada dez projetos, nove dão certo, um dá errado

Esse é o tipo de nível de excelência que você quer alcançar Não fique tão preso com estatísticas, com números, eu sei que essa é a realidade da maioria, mas o que nós estamos fazendo aqui nós estamos nos preparando pra fazer parte de uma elite que tem mais resultados Segundo mito, contratar sem entender do assunto Por favor não contrate ninguém pra fazer um trabalho que você mesmo nunca tentou estudar, tentou fazer antes, tá Não tô sugerindo, por favor, que você efetivamente faça o trabalho, porque isso vai, logicamente, atrasar muito

Porém, antes de contratar nós temos que entender a natureza do trabalho O que que é isso? O que tem que ser feito? Que resultados nós esperamos? Aí sim que a gente sabe identificar um trabalho bem feito Nós vamos saber também quando que a gente tá sendo enrolado, embromado e vamos saber valorizar o bom profissional Nós vamos saber comunicar as nossas especificidades, necessidades pro profissional contratado Por isso que no nosso treinamento nós vamos passar por múltiplas áreas, design, marketing, criação de produto, criação de site, mídias sociais, depois que a gente tem essa noção mínima aí sim nós podemos delegar com precisão

O empreendedor ele tem noção de vários aspectos do negócio, caso contrário, ele fica totalmente no escuro, ele escuta uma estorinha que alguém vem e conta e você não tem outra opção, a não ser acreditar na estorinha que você ouviu, não é bom Terceiro mito, complicar desnecessariamente Ao invés de criar o protótipo, querer montar um protótipo cheio de funcionalidades e no final das contas o negócio fica meio, meia boca, é melhor a gente eliminar funções não essenciais e fazer poucas funções, porém bem produzidas, em ciclos de desenvolvimento posteriores, aí nós podemos reformular o produto e adicionar mais recursos, mas sempre vamos ter certeza de que o produto que nós estamos criando aqui ele cumpre bem uma promessa Então, por exemplo, ao invés de eu escrever um livro de quinhentas páginas cheio de detalhes, eu elimino trezentos, eu faço duzentas páginas, porém duzentas páginas muito bem escritas Na primeira fase, vou manter tudo no nível essencial

Qual que é o ponto de partida? É lá que eu vou focar minha energia e esse ponto, super importante, é ao redor dele, desse centro que eu vou colocando outros elementos Quando você focaliza no essencial, você evita ficar perdido com detalhes irrelevantes na fase inicial É mais ou menos igual no processo de arquitetura, tá Você primeiro vai construir a fundação, o piso e as paredes Só depois que a gente vai parar pra pensar qual que é a melhor toalha para cobrir a mesa da cozinha, é um detalhe que vem mais tarde

Além disso, todos os detalhes só vão fazer sentido depois que você tem aquele essencial bem instalado Faça menos que os seus competidores, geralmente nós pensamos: – puxa, o competidor tem três modelos diferentes, então eu preciso de ter quatro – o competidor tá gastando cinquenta mil em publicidade – eu tenho que gastar cem – o competidor tá dando cinquenta porcento de desconto, eu tenho que dar sessenta

Esse tipo de mentalidade, o problema dela é que ela leva a gente pra uma competição sem fim e pra baixo Ao invés disso, muitas vezes o que vale a pena é simplificar oferecendo produtos e serviços mais básicos, mais leves, menos complicados Por isso faça menos coisas porém faça bem feito, tenha orgulho do fato do seu produto ter menos funcionalidades, porém funcionalidades bem montadas Quarto mito se preocupar demais com ferramentas o Jimi Hendrix foi um dos maiores guitarristas aí, de todos os tempos, você pode ir atrás e descobrir qual que foi a guitarra que o Jimi Hendrix usava pra tocar, o mesmo amplificador do Jimi Hendrix, você pode até botar o mesmo cabelo, corte de cabelo do Jimi Hendrix, mas sem ter a prática, não é o som do Jimi Hendrix que você vai escutar Então as pessoas me perguntam muito, qual que é o modelo de câmera que eu uso, que programa que eu uso pra fazer mapas mentais, qual que é o software de edição que eu uso

Essas perguntas são praticamente irrelevantes Se eu fizer com outra câmera, outro software, o resultado do meu trabalho vai ser muito parecido O foco portanto, não deve ser em equipamento, em ferramentas, o foco tem que ser na mecânica, no sistema, que traz lucro pra sua empresa Da mesma forma, não se preocupe demasiadamente com o design do seu site no primeiro momento, dos seus produtos, tenha algo simples, algo que por favor, que não espante o cliente Um design muito tosco dá uma sensação imediata que aquela fonte não é confiável, porém, um site simples, um design simples, pode ser feito em alguns minutos Você não precisa de ter um design único, tá O nosso público não tá visitando a página pra ser impressionado com algum efeito especial, o nosso público ele quer uma melhoria na qualidade de vida através de uma utilidade

Outro desdobramento é você querer colocar álbum de fotos, parte de download, chat, enfim um monte de funcionalidade que não importa no final das coisas Nós não temos que competir com os grandes portais, aqueles sites que têm de tudo, o certo é fazer uma ou duas funções que realmente ajudam a nossa audiência e fazer isso com qualidade Então não é uma boa ideia numa primeira fase ficar mexendo demais no site, a não ser que exista um propósito bem claro o que que nós queremos alcançar com aquela mudança Tá gostando? Nessa aula de hoje nós temos um total de onze erros mais comuns de jovens empreendedores O próximo vídeo tá um pouco mais abaixo nessa página aqui no site do EmpreDig e é disponível apenas pra assinantes do EmpreDig que fizeram o login

Se você é assinante, faz o login que você vai ver o vídeo que tá oculto No próximo vídeo, nós vamos falar de erros cometidos com investidores, com familiares e em contratações e também com concorrentes e outros erros É importante que você entenda muito bem esses aspectos pra você não ficar enrolado em pontos que geralmente atrasam ou atrapalham muito os jovens empreendedores Nos falamos no próximo vídeo